bitcoin e soluções de pagamento

Cripto do Dia: Bitcoin e as soluções de pagamento

Milton Friedman, um dos maiores economistas do mundo e ganhador do Prêmio Nobel profetizou em junho de 1999: “A internet vai ser uma das principais forças para reduzir o papel do governo. A única coisa que está faltando, mas que em breve será desenvolvido, é um dinheiro digital confiável: um método pelo qual, na internet, você poderá transferir fundos de A para B, sem A necessariamente conhecer B”. Nessa época, ainda não se fazia ideia que 10 anos depois já teríamos bitcoin à disposição. Vimos aqui (link para o blog) que na construção do primeiro bloco de bitcoin em 2009 já havia uma mensagem escondida que fazia alusão à impressão desenfreada de dinheiro por parte dos governos que sofriam com o colapso dos bancos desde 2008. O bitcoin foi criado sob um código em que é impossível a emissão desenfreada ou além de um número limitado de criptomoedas. Além disso, esse código prevê quantos bitcoins serão “emitidos” (minerados) dentro de um período de 140 anos. Após isso, restará apenas o que foi emitido, evitando manipulação de dados econômicos através de mecanismos como injetar dinheiro nas economias e balanços comerciais dos países (usualmente por emissão de dinheiro de maneira inconsequente). Além da descentralização e liberdade econômica, você conhece outros problemas que o bitcoin resolve? Seguem alguns abaixo:

  • gasto duplo (não é possível duplicar saldos ou clonar carteiras);
  • centralização da informação (a rede blockchain é descentralizada, não ficando refém de blackouts ou queda de servidores pois os demais “nós” sustentam a rede nesses casos);
  • intervenção de bancos e governos (é global, quem “emite” o bitcoin são os próprios usuários, que utilizam força computacional para resolver equações e encontrar (minerar) os blocos de bitcoin bem como registrar as operações dos outros usuários na rede);
  • risco de perda de informações (a rede Bitcoin é imutável – nenhum dado pode ser apagado ou rasurado, todas as transações ficam registradas em blocos na blockchain);
  • falsificação e fraudes (impossível falsificar bitcoin);
  • ineficiência de custos e burocracia demorada (bitcoin é 24 horas por dia, 7 dias por semana, sendo amplamente usado para transações mais rápidas, menos custosas e menos burocráticas);
  • transações sigilosas ou sem rastreio, como dinheiro em espécie, metais preciosos, jóias e obras de arte, por exemplo (as transações com bitcoin são públicas e transparentes; porém a identidade das pessoas por trás dos pagamentos é privada por padrão).

Levando-se em conta que esta tecnologia é nova (pouco mais de dez anos), temos certeza de que ainda há muito mais por vir, mais problemas a se solucionar e novas tecnologias a se criar.

Deixe um comentário